O vento tinha soprado

Jorge dormia mal há meses. O filho lá fora e a guerra lá dentro traziam-lhe muito pouca paz. A vida estava feita. O vento tinha soprado. E a morte só lhe teria a colher dignidade e, dava muitas graças, todas aquelas manhãs em que passava a ferro.